Como é o Sistema de Saúde Público em Portugal?

Já faz um tempo que tenho vontade de compartilhar com vocês a minha experiência com o sistema público de saúde aqui de Portugal que, infelizmente, não é pouca. Em abril de 2016, pouco mais de 4 meses após a minha mudança do Rio de Janeiro para o Porto, fui internada no hospital Santos Silva, em Gaia, com uma tromboembolia pulmonar. Foram 5 dias internada em que tudo o que ouvia dos médicos foi que tive muita sorte. Isso porque os sintomas são confusos e no meu caso achava que as dores nas pernas eram musculares devido aos exercícios físicos que andava fazendo, e a falta de ar uma possível crise asmática. No fim das contas podia ter morrido, foi um grande susto!

sistema de saúde em Portugal

Hoje sei que tive muita sorte sim, porque demorei muito para ir ao hospital, mas também sei que o diagnóstico correto e o bom acompanhamento dos médicos foi fundamental. Cerca de 1 mês após a minha alta do hospital, durante uma consulta de quase 2 horas com a médica especialista de Medicina Interna, tive uma verdadeira aula sobre o meu problema e soube também que tenho algumas mutações genéticas que fazem com que eu tenha 7x mais probabilidade de ter trombose que uma pessoa normal. Nesse dia saí do hospital encantada pela minha médica e pelo tratamento que eu estava tendo, eu nem sequer sabia que tinham coletado sangue para fazer esse mapeamento genético, e me senti realmente segura e cuidada. Senti uma atenção em buscar as razões e uma importância dada a minha saúde que nunca em anos de plano de saúde privado no Brasil tinha presenciado, e acima de tudo, não tive nenhum custo por essa internação. No caso de cirurgias, internações e acompanhamentos de doenças graves, não existe nenhum valor a ser pago. No entanto nem sempre é assim, em situações normais os usuários pagam taxas moderadoras entre aproximadamente 4€ e 20€ dependendo do tipo de serviço, com exceção das crianças e jovens até 18 anos, mulheres grávidas, desempregados e alguns outros casos específicos que são isentos das taxas moderadoras. São valores simbólicos e coparticipados, mas que evita o abuso de pacientes que vão ao hospital por qualquer motivo e acabam por congestionar o sistema.

sistema de saúde em Portugal

Desde então sou seguida por uma equipe no Hospital Santos Silva, que desde que fiquei grávida passou de 3 para 5 médicos, entre nutricionista, endocrinologista, obstetra… e como mencionei acima, passei a ser isenta de todas as taxas moderadoras enquanto estiver grávida (uma forma do governo incentivar a natalidade).

No entanto, nem tudo são flores, enquanto o atendimento no Hospital é excelente, não posso dizer o mesmo do Centro de Saúde. A saúde é um direito garantido do cidadão português e para ter acesso a tal, ele precisa estar inscrito no Centro de Saúde da sua freguesia que então designará um médico de família que irá acompanhá-lo. No entanto, só o fato da pessoa se registrar em um Centro de Saúde não quer dizer que ela vá ter um médico de família, a maioria dos centros possuem fila de espera para conseguir um médico. No meu caso, assim que cheguei fui ao Centro de Saúde mais perto da minha residência e lá me orientaram a ir a um outro, ainda dentro da freguesia, que tinham médicos com vaga para novos pacientes. Supostamente tive sorte pois não precisei aguardar em fila de espera, mas por outro lado, o Centro de Saúde é bem mais longe da minha casa (e com poucas opções de transporte) e, por diveeeeersas razões, não gosto da minha médica… que digamos assim, não é das mais interessadas. Já me informei sobre mudar de médico, mas teria que entrar em uma fila de espera e ficar sem médico algum durante a gravidez não me pareceu uma boa ideia.  

sistema de saúde em portugal

O médico de família é sempre um clínico geral e é a quem temos que recorrer em qualquer ocasião, pois somente ele poderá analisar a hipótese de precisar de um médico especialista. Caso ele ache necessário, você receberá na sua casa uma carta do Ministério da Saúde informando a data, o horário, o nome do médico e local da consulta do especialista em questão, que normalmente ocorrem nos hospitais. O tempo de espera para essas consultas dos especialistas normalmente são de 1 a 2 meses, mas tive uma consulta com oftalmologista para revisão de grau que demorou cerca de 6 meses, e sei que algumas especialidades demoram bem mais que outras dependendo também da urgência do paciente para aquela consulta. No entanto, caso depois precise de continuação no acompanhamento com aquele médico já não é necessário aguardar tanto tempo e a marcação é feita pelo próprio médico.

8

De um modo geral, tenho muito mais elogios do que críticas a todo o Sistema. Percebo claramente uma seriedade e comprometimento com os casos sérios, em tratar com urgência o que é realmente urgente. E quando não é a nossa paciência é primordial, porque de uma forma ou de outra o atendimento será feito. Uma coisa boa é que o sistema está todo digitalizado e toda a minha ficha e exames ficam disponíveis para ser consultado em qualquer hospital do país. Outra questão superinteressante é dos medicamentos  Quando há uma receita médica, o medicamento é em parte subsidiado pelo governo. Por exemplo, com ainjeção que eu tomo todos os dias de anticoagulante durante a gravidez, gasto aproximadamente 75€ por mês. No Brasil, uma prima, que também tem mutação genética e também está grávida, gasta cerca de R$2000 (por sorte conseguiu reembolso de parte desse gasto com o convênio dela). Isso vale para todo e qualquer remédio receitado, mesmo os de manipulação.

6

Brasileiros podem usar a saúde pública em Portugal?

Podem! Existe um acordo entre Brasil e Portugal que garante, a todo beneficiário do INSS, direito ao atendimento em hospitais públicos nos países do acordo, pagando o mesmo valor que o cidadão local e se chama PB-4. Mas atenção, você precisa fazer essa solicitação ainda no Brasil para usufruir do direito. Mais informações sobre o PB-4 aqui.

E em relação aos planos de saúde?

Antes de passar por toda essa situação “surpresa” eu até estava analisando a possibilidade de terum plano de saúde. No entanto depois de ter vivenciado tudo isso, e de me sentir super segura com o atendimento que eu tenho, não vejo nenhuma necessidade nesse momento de fazer um plano. Talvez quando o meu filho nascer, caso não me sinta segura com o pediatra dele, posso voltar a analisar, mas no momento, sou tão bem acompanhada que realmente não cogito essa possibilidade.

De qualquer forma é importante saber que aqui não existem os planos com o conceito do Brasil, que se paga um valor mensal e não se paga mais nada. Aqui o que vendem são Seguros de Saúde, que só cobrem uma porcentagem das despesas com médicos e hospitais particulares. Qual a vantagem então? O conforto de ter um atendimento mais rápido caso não tenha nada grave, como uma gripe por exemplo. Ou o conforto de poder marcar um dermatologista sem ter que esperar aproximadamente 6 meses. A mensalidade gira em torno de 30€ e as consultas variam entre 15€ e 40€, e portanto ao invés de um valor alto fixo por mês, paga-se o mínimo e quanto mais se usa mais se paga. E nos casos mais graves que incluem cirurgias e internações, a maioria dos portugueses optam pelo público mesmo, que é onde os melhores médicos estão!

1

ASSINATURA_RENATA

 


3 thoughts on “Como é o Sistema de Saúde Público em Portugal?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s